Não se procura...
A inspiração verdadeira.
Como capim que se poda...
Ela brota altaneira.

Como do rio a nascente...
Verte no coração da gente.
Como semente ao acaso...
Germina na alma e na mente.

Esbalda-se estrondosa...
Como ondas poderosas.
Espalhando vírus espirra...
Como trigal com espigas.

Surge como um vendaval.
Surpreende como temporal.
Espalha-se como folhas ao vento.
Cai sem que se tome tento.

A verdadeira inspiração...
Surge assim...
Repentinamente.

E se o poeta displicente...
Não transpassar ao papel...
Por certo tal como veio...
Escapa num relampeio...
Deixando no poeta...
Coração doendo...
Pelo filho...
Que acabou perdendo.