Deitei-me nos braços fogosos da paixão

E completamente sem noção

Entreguei-me.

Deixei que lambesse minha existência

Minha alma em total carência

E entre estragos e afagos

Entre silenciosos urros

Ela habitou entre nós.

E foi como se a relva umedecesse

Como se as montanhas abaixo descessem.

O sol atingiu o ápice do brilho

Faíscas de ardentes esmerilho.

A lua empalideceu

Diante da embrutecida sensação

Da pura exaltação

De nossos corações

Que de dois

Fizeram-se um.

E a noite escura

Com sua brandura

Com nossa paixão se enterneceu

E de presente

Para nós não amanheceu.

 

 

13/11/05


 

Clique na figura
envie sua mensagem


O envio que chega rapidinho !!!
 




Desde 05.02.2005,
a sua é a visita número


Direitos autorais registrados®