MARILENE MEES PRETTI 
 


 

 

Pontos... Pontos...

Parece um conto...

Infindáveis...

Amáveis...

Mas quem dera pudesse ter...

Um dia um ponto concreto.

Estar debaixo de um teto...

Com você contando os pontos.

Esse ponto...

Não sei se conto...

Faz parte da história...

De Dionísio e Vitória...

Portanto...

Agora que conto...

Sinto-me mais tonto...

De que um ponto...

Surgindo do nada.

Traz-me pro meu canto...

Que às vezes é pranto...

Outra é encanto...

Pura felicidade...

De ter na memória...

Uma linda história...

De uma bela mulher...

Que tem um encanto...

Cheia de trejeitos...

Que nem um quebranto...

De um velho baiano...

Pode dar jeito!!!

 


24/02/2005