O dia em que nas crateras de mim
Não mais couberem dúvidas e incertezas
Nem habitar aqui, a vontade sem fim,
De buscar verdades com toda firmeza

É certo que me abandonou a vida
Levando juntos alma e coração
Pois é somente por abertas feridas
Que viaja a mente em alucinação.

Enquanto meus mistérios se fizerem noites
Buscarei meu eu em cada amanhecer
Mesmo com ventos lançando-me açoites.

Enquanto na periferia de minh’alma acender
O desejo imenso de nadar nas fontes
Certa estarei de em viço viver.



04/04/06

Clique na figura
envie sua mensagem


O envio que chega rapidinho !!!
 




Desde 05.02.2005,
a sua é a visita número


Direitos autorais registrados®