Marilene Mees Pretti



Que queres comemorar...

Nesse dia dezenove?

Índio dono da Terra...

Roubado por quem te promove.

 

A tua riqueza INDIO...

O homem cortou com a serra...

Pelo mar mandou pro mundo...

Um mundo que vive em Guerra.

 

Se hoje tu tanto lutas...

Para só sobreviver...

Tua cultura sepulta...

Pois estás a desaparecer.

 

Por isso tu tanto choras...

Tens motivos de montão.

Nunca foste compreendido...

Pelo branco teu irmão.

 

Que podes esperar da vida?

INDIO sem proteção...

Se em teu corpo ateiam fogo...

Somente por diversão.

 

Que esperas do futuro...

INDIO dono da Terra?

Morrendo tuas crianças...

Dia a dia... Na miséria.

 

Que posso fazer por ti?

Pedir Guerra à pobreza?

O branco te mataria...

Alegando Legítima Defesa.

 

Então ficas lá na mata...

Tomada pela cidade.

Tua história roubada...

Tiram o que é teu na verdade.

 

Neste dia dezenove...

Todo ano em abril...

Tornas-te para o branco...

Um exemplo varonil.

 

Não sabe o teu irmão...

Que tu já tens consciência...

Não sentes no teu coração...

Desses atos coerência.

 

Mesmo assim, INDIO IRMÃO...

Abril, dia dezenove...

Os brancos te homenagearão...

Sem saber que não comove.

 

02/05/2005

Música cantada pelo grupo indígena Aconã de Traipu (AL)